Notícias

29 de Abril de 2016
 

ANÁLISE MERCADOLÓGICA DA STCP PARA REVISTA ELETRÔNICA B.FOREST – ABRIL/2016

Índices econômicos, o aumento na demanda por toras finas de eucalipto e a queda no preço do pinus são os destaques do boletim mercadológico elaborado pelos profissionais da STCP.

Para mais informação: clique aqui

28 de Abril de 2016
 

STCP PARTICIPA DO MONITORAMENTO DE PROJETO DO PROGRAMA ITTO-CITES NO PERU

A Colaboradora Sofia R. Hirakuri da STCP esteve em Lima e Puerto Maldonado no Peru, na primeira quinzena de abril/2016, participando de reuniões de monitoramento de projeto do Programa ITTO-CITES, coordenado pelo Dr. Ivan Tomaselli, Presidente da STCP.

A Consultora participou na reunião do Conselho Consultivo do Projeto “Manejo de árvores matrizes de mogno (Swietenia macrophylla King) e cedro (Cedrela odorata) em áreas de concessão florestal ‘Rodal Semillero Tahuamanu’ para fins de conservação, localizado na Província de Tahuamanu, em Madre de Dios, Peru”, em Lima.

Adicionalmente, foi feita uma visita técnica à área florestal de ocorrência natural de espécies S. macrophyllaC. odorata na região de Iberia e Puerto Maldonado, no departamento de Madre de Dios, como parte do projeto.

foto2 foto3 foto4

11 de Abril de 2016
 

DR. JOÉSIO D. P. SIQUEIRA, VICE-PRESIDENTE DA STCP, É INDICADO PELA DIRETORIA EXECUTIVA DO SISTEMA FAEPA – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO PARÁ, PARA COMPOR O CONSELHO CONSULTIVO

Dr. Joésio D. P. Siqueira, vice-presidente da STCP, é indicado pela Diretoria Executiva do Sistema FAEPA – Federação da Agricultura e Pecuária do Pará, com aprovação unânime do Conselho de Representantes, para compor o Conselho Consultivo da FAEPA 2016/2019.

A solenidade de posse acontece no dia 15 de abril no Auditório do Ed. Palácio da Agricultura em Belém – PA.

 

7 de Abril de 2016
 

GERENCIAMENTO DO PDRI/AMAPÁ PELA STCP OFERECE INOVAÇÃO E INCREMENTO DA INFRAESTRUTURA LOCAL

Em apenas dois anos de programa houve incremento de 2% no PIB do estado; expectativa é que, ao fim do projeto, impacto chegue a 5%.

Em março deste ano, a STCP renovou por mais 24 meses o Contrato de Gerenciamento, Supervisão e Assessoria ao programa AMAPÁ/BNDES, para a continuidade do Programa de Desenvolvimento Humano Regional Integrado do Amapá (PDRI), Contrato esse que foi iniciado em 2014 e agora com previsão de conclusão em 2018.

O Programa movimenta recursos na ordem de R$ 1,090 bilhão, a ser aplicado em 04 (quatro) anos, e prevê, além da participação do BNDES em R$ 980 milhões (90%), a contrapartida do Estado de R$ 110 milhões (10%), objetivando a ampliação e modernização da infraestrutura social e econômica, e com isso proporcionar melhores condições para o adequado desenvolvimento sustentável do Estado.

Com a prorrogação do Contrato a STCP objetiva dar continuidade ao processo de Gerenciamento, realizando o acompanhamento e implementação das obras, ações e atividades relativas ao PDRI. Realizará as atividades para implantar o monitoramento e avaliações das intervenções contempladas no Programa no exercício 2014/2015, e ainda, as intervenções que serão inclusas no exercício de 2016/2017, encerrando sua participação primeiro trimestre de 2018. Essa contratação, pelo estado do Amapá e BNDES, visa à plena execução do Programa para proporcionar os melhores resultados finais às atividades com minimização de prazos, custos e riscos na consecução das mesmas.

De acordo com o sócio-fundador da STCP, Joésio Siqueira, só nos primeiros dois anos do Programa o PIB do Amapá cresceu 2%. “Quando encerrarmos, acreditamos que o impacto deverá estar por volta de 5% no seu PIB”, afirma. Nos primeiros dois anos, foram utilizados aproximadamente 60% dos recursos liberados. “Desde o início, o Programa foi pensado para ser efetivado em quatro anos. Na metade do período, foi realizada a avaliação da efetividade e constatada boa execução e produtividade, o que, necessariamente, levou à continuidade. Por isso, renovamos”, conta Siqueira.

Considerado o maior programa de investimentos desde a instalação do Amapá, em 1991, o PDRI tem beneficiado diretamente mais de 760 mil pessoas, nas áreas urbanas e rurais das seis regiões administrativas de planejamento e seus 16 municípios.

O PDRI é composto por 14 componentes de atuação que tem por objetivo, ampliar e modernizar a infraestrutura social e econômica do Amapá para oferecer condições à população amapaense de atuar como protagonista qualificado no processo de desenvolvimento sustentável do Estado, fundamentado na sua sociobiodiversidade, localização geográfica e diferenciais competitivos de logística fluviomarítima na Amazônia.

No entanto, toda a população do Estado poderá usufruir dos recursos, principalmente pequenos e médios produtores da cadeia produtiva do pescado, extrativistas, famílias de baixa renda contempladas em programas de proteção social e de habitação.

amapa1