Notícias

30 de junho de 2017
 

A INDÚSTRIA FLORESTAL, A COMPETITIVIDADE E A SUSTENTABILIDADE – IVAN TOMASELLI PARA REVISTA REFERENCIA FLORESTAL – JUN/2017

Para vencer competição com outros materiais, é preciso investir em tecnologia e novos mercados para madeira.

Acesse o artigo completo: tomaselli_referencia_florestal_ano-19_no-186_junho_2017

29 de junho de 2017
 

ANÁLISE MERCADOLÓGICA DA STCP PARA A REVISTA ELETRÔNICA B.FOREST – JUNHO/2017

Cenário político nacional incerto e expectativa de aumento de taxa de juros dos EUA influenciam a taxa de câmbio.

Para mais informações: clique_aqui

 

26 de junho de 2017
 

O SETOR FLORESTAL E A TERCEIRIZAÇÃO: CONSEQUÊNCIAS – JOESIO SIQUEIRA PARA REVISTA OPINIÕES – JUN-AGO/2017

As empresas do setor florestal tradicionalmente foram demandantes dos mais diversos serviços de terceiros.  O ápice da terceirização ocorreu um pouco antes da década de 90. Recentemente, tem-se observado o caminho inverso em que grandes empresas do setor optaram pela “primarização”. Este artigo destaca que a modernização da legislação que trata de terceirização, sem distinguir atividade-meio e atividade-fim, é uma boa notícia para o mercado, tanto para empresas, como trabalhadores.

O artigo foi escrito em coautoria com Roberto Bonse, Diretor de Desenvolvimento Internacional da STCP e Emerson Geronazzo, Engenheiro Florestal da STCP.

Acesse o artigo completo: clique_aqui

26 de junho de 2017
 

COMEMORAÇÃO DO DIA NACIONAL DA ARAUCARIA – 24 DE JUNHO

Em 2005, através de um decreto presidencial, foi criado o Dia Nacional da Araucária, comemorado em 24 de junho. O corte indiscriminado de Araucária ocorrido no início do século XX quase a levou à extinção e a partir da década de 1970, leis e regulamentos federais e estaduais tornaram a Araucária uma espécie protegida.

O IFFSC (Inventário Florestal Florístico de Santa Catarina) indicou que a Floresta de Araucária originalmente cobria 43 mil km², e que em 2013 seus remanescentes compreendiam apenas 24% deste total, ou pouco mais de 10 mil km². O estado de Santa Catarina detém o maior percentual protegido com a espécie.

A STCP Engenharia de Projetos Ltda. em colaboração com a Associação Catarinense de Empresas Florestais – ACR realizou um levantamento sobre o Pinheiro do Paraná, explicando que: “em função da restrição ao corte, embora se trate de recurso florestal renovável, o principal uso atual da Araucária é a produção não madeireira de pinhão.” A pesquisa leva em conta os números divulgados pelo IBGE (2017), que indicam o crescimento de 55% na produção de pinhão em Santa Catarina entre 2005-2015, alcançando 3,2 mil toneladas, ou 38% da produção brasileira. “Tal produção gerou renda de mais de R$ 8,7 milhões a população catarinense na forma de extrativismo.”

Fonte: Assessoria de Comunicação da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR)

Acesse o artigo completo: clique aqui

01

03