Notícias

15 de Fevereiro de 2019
 

STCP APOIA ASSOCIAÇÕES DO SETOR FLORESTAL NO DESENVOLVIMENTO DE ANUÁRIOS ESTATÍSTICOS E ESTUDO SETORIAL

Nos últimos meses, a STCP Engenharia de Projetos Ltda. foi contratada para desenvolver estudos sobre o setor de base florestal e a indústria de madeira sólida por associações setoriais de classe. A Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente – ABIMCI, que atua no fortalecimento da indústria madeireira nacional, contratou a STCP para a elaboração do “Estudo Setorial da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente” do ano de 2019. Este é o 10º Estudo Setorial realizado pela STCP para a ABIMCI, confirmando a parceria estabelecida por mais de 18 anos. O documento abordará aspectos institucionais da ABIMCI; a base florestal nacional; o perfil da indústria madeireira e moveleira (com indicadores socioeconômicos); e estatísticas de mercado. Este trará dados sobre a produção, consumo, exportação e importação dos principais produtos da cadeia produtiva do setor madeireiro nacional.

A Associação Catarinense de Empresas Florestais – ACR, que tem por propósito promover e desenvolver a atividade florestal no estado de Santa Catarina, irá lançar seu Anuário Estatístico de Base Florestal de Santa Catarina” em 2019. A STCP desenvolveu os dois anuários anteriores e seguirá na elaboração deste terceiro documento. A Associação Baiana das Empresas de Base Florestal – ABAF, por sua vez, que tem por meta contribuir com o desenvolvimento do setor florestal sobre bases sustentáveis, pela segunda vez consecutiva, requisitou à STCP a elaboração do “Bahia Florestal 2019”. Ambos Anuários (Santa Catarina e Bahia) apresentarão dados que destacam a participação dos estados no cenário nacional.

Todos os documentos reunirão dados e estatísticas atualizadas sobre o setor com informações estratégicas às Associações, aos gestores de empresas florestais e aos potenciais investidores. Trata-se de ferramenta fundamental para facilitar o planejamento e a promoção do desenvolvimento setorial, fornecendo subsídios para estudos e tomadas de decisões do setor florestal e da indústria madeireira.

O lançamento e divulgação dos documentos deverão acontecer até Maio/2019 pelas próprias Associações, ocasião na qual a STCP apresentará maiores detalhes dos principais indicadores identificados.

Fonte: Elaborado por STCP (Fev. 2019).

 

12 de Fevereiro de 2019
 

STCP FAZ A ENTREGA DE PROJETOS PARA EMDAGRO EM ARACAJU

Em 11 de fevereiro, a Gerente da Divisão de Engenharia e Projetos da STCP, Juliana Kreische, realizou a entrega dos projetos para reforma e construção das instalações da EMDAGRO – Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe, em Aracaju, Itabaiana e Ribeirópolis.

Na reunião estavam presentes o Presidente da EMDAGRO, Jefferson Feitoza de Carvalho, e os engenheiros Hugo Monteiro Rocha e Elizabeth Campos. Os projetos foram integralmente desenvolvidos em BIM (Building Information Modeling) e o processo de contratação das obras já está em andamento.

12 de Fevereiro de 2019
 

SAVE-THE-DATE FÓRUM SUSTENTABILIDADE & GOVERNANÇA 2019

Um evento que reunirá especialistas, CEOs e diretores de empresas em dois dias de uma programação intensa de conteúdo super qualificado, troca de experiências e networking entre lideranças empresariais e formadores de opinião.

 

 

21 de Janeiro de 2019
 

REUNIÃO DE IVAN TOMASELLI NA FEDERAÇÃO ECONÔMICA DE CORRIENTES – ARGENTINA

No dia 16 de janeiro, Dr. Ivan Tomaselli esteve na Argentina para reuniões de trabalho na Província de Corrientes.

Na ocasião, Dr. Ivan Tomaselli esteve reunido na Federação Econômica de Corrientes, com o Presidente Sr. Daniel Cassiet, o Vice Presidente Daniel Filigoy e membros da Câmara de Madeireiros, com o objetivo de analisar o cenário para investimentos no Cone Sul e o contexto para os negócios florestal-Industrial na região Nordeste (NEA) da Argentina.

Dr. Tomaselli enfatizou que neste cenário deve-se aprofundar um trabalho regional com interesses em comum entre Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, mesmo que se encontrem em estágios diferentes, existem caminhos a percorrer juntos.

Afirmou também que, para o sistema florestal-industrial ser eficiente e rentável, deve contar com uma indústria de celulose e papel sustentável, econômico-financeira e ecológica com tecnologia de ponta disponível, pois 70 % da madeira não é serrada e deve ser destinado a esses empreendimentos industriais.

Foram analisadas as assimetrias industriais e os níveis de diversificação no Mercosul, onde o Brasil já conta com 5000 milhões de dólares em exportação de celulose, Chile 5000 milhões por todo conceito, Uruguai 3000 milhões de dólares, a Argentina está em um ritmo mais lento, devendo acelerar em prol desse desafio industrial.

O Modelo do estado de Mato Grosso Sul do Brasil, foi citado como um bom exemplo para visualizar como montar um cluster florestal-industrial com valor agregado e resultados econômicos e ambientais sustentáveis.

Importante destacar que no Uruguai, os produtos de celulose já representam 22 % das exportações, o que superou a carne em valor. É um sistema integrado floresta-indústria que 15 anos atrás não existia.

Corrientes com investimentos neste ramo poderia exportar 3000 milhões de dólares, além do desenvolvimento industrial diversificado das serrarias regionais.

Destacou-se que há um tempo houve uma mudança de paradigma quando a floresta-indústria se nacionalizou como produção e foi criada “A Mesa Nacional Florestal- Industrial”, onde o governo provincial sendo a primeira província florestal do país, participa em todas as reuniões e o presidente da Republica também.

Linhas de trabalho:

Continuar o planejamento de um plano integral florestal-industrial e, além disso, realizar uma grande diversificação.

Analisar os problemas supranacionais que influenciam e devem ser resolvidos, analisar os problemas intrasetoriais para solucionar os obstáculos e analisar os problemas intersetoriais. O governo presidido pelo Gustavo Valdes visa estimular a produtividade para melhorar competitividade real, logística portuária, energia, infraestrutura rodoviária, ferrovia de carga, principalmente na zona central até o porto, formação de recursos humanos voltados para o setor florestal-industrial, cursos e intercâmbio de delegações com experiência com outros países, etc.

Fonte: Federação Econômica de Corrientes

1 2 3 58